Domingo, 1 de Março de 2009
Meio termo

 Uma das minhas decisões para 2009 foi atingir a perfeição voltando a fumar. Não quero voltar a ser o fumador compulsivo que era mas também nao ando a achar piada a estes últimos anos de ramadão nicotesco. Pretendo atingir aquele nirvana de quem consegue só fumar o cigarrito depois da refeição ou a acompanhar a cervejola de vez em quando.

 

Ser fumador é mau mas não o ser... nhec... existe este enorme prazer que é fumar e que se for feito comedidamente é capaz de fazer menos mal que morar perto de uma avenida movimentada. No meio está a virtude: conseguir ser o fumador sem vício que passa bem sem o cigarro mas sabe tirar prazer de umas passas.

Os senões: Os fumadores de 4 ou 5 cigarros diários é gente que sempre foi assim e nunca foi de fumar um maço por dia. O fumador de 2 maços ou larga ou não consegue ficar-se pelo cigarrinho do café pós-almoço/ pré-wc.

Depois o fumador perfeito é odiado por todas as classes: pelos fumadores convictos por inveja do equilíbrio prazer/saúde, pelos não fumadores porque os vêem como fumadores iguais aos outros, mas, principalmente, pelos ex-fumadores que conhecem os prazeres das duas realidades mas sabem que ao voltar ao cigarro rapidamente resvalam para o ritmo toxicodependente.

 

Bem, eu gostava mesmo de ser o fumador perfeito, o nojento, o irritante que, só fumando quatro cigarritos por dia nem precisa de comprar e facilmente os crava aqui e ali aos fumadores de unhas castanhas.

Gostava de ser mas está a ser difícil, principalmente com as opiniões definitivas da minha máquina de lavar a roupa:
 

 
Figura 1:  Meio maço de Português vermelho, sem plástico e depois de lavado a 30 graus. 

 



por Pedro Chichorro às 02:28
link do post | comente | adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 12 de Setembro de 2008
Baixa do Porto

A cidade do Porto, apesar de tudo, está a evoluír. Algumas coisas ainda estão no terceiro mundo (tirem as cadeias de fast food da merda dos shoppings, já que vou comer porcaria que o faça num sítio que não o seja) É natural que algumas dores se sintam. A lei do tabaco veio trazer fumadores e não fumadores para as ruas e as pessoas... gostaram. No início do ano alguns cafés e bares meteram uma mesinha cá fora com um guarda-sol e um cinzeiro para os fumadores. Aconteceu tudo ao contrário: veio toda a gente cá para fora e ficou o não fumador lá dentro a tomar conta dos casacos. Sim, no inverno já acontecia.
Antes a baixa estava deserta e era perigosa, agora tem gente e é ruidosa. Claro que há sempre alguém que se queixa. Por mim,  crime por crime, opto pelo ruído.

 




Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008
Buracos nas leis do tabaco

Mas vocês acham que só aqui em Portugal os fumadores andam aflitos a fumar à porta dos bares e restaurantes? Então acham mal, nos Estados Unidos existe uma lei, pelo menos na Califórnia que permite que os actores, durante as suas performances, fumem.

Do que é que a dona de um bar se lembrou? Criar a noite do teatro uma vez por semana. Ela alega que todos os clientes são actores e que o bar é o palco. O resultado é o mesmo dos bares que cá mandaram a lei às urtigas: tem mais clientes do que alguma vez teve mesmo antes das proibições.



por Pedro Chichorro às 22:17
link do post | comente | adicionar aos favoritos







.posts recentes

. Meio termo

. Baixa do Porto

. Buracos nas leis do tabac...





Add to Google Reader or Homepage



AddThis Feed Button
AddThis Social Bookmark Button