Sábado, 7 de Março de 2009
Viaduto - a obra

 Nunca mais pá! Para mim aquilo está mais que pronto, mas continuam a fazer festinhas ao asfalto, mais semáforozinho aqui, e outro ali, e relvinha e não sei o quê e nunca mais tenho o acesso directo de minha casa à... humm... Escola C+S Maria Lamas :/
 


Os mais atentos terão reparado que a qualidade das fotos de repente melhorou. w910i rula.

 




Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2009
A senhora dos guarda-chuvas

 Moro num enclave em pleno concelho do Porto. Eu e milhares de pessoas, senão reparem: Embora a freguesia seja Ramalde, esta é tão extensa que quase não nos acolhe como Ramaldenses. Estamos relativamente longe do centro de decisão, que é o Edifício do Lago, e é uma zona mais ou menos nova para o sítio que viu nascer o cinema português, treinar o Humberto Coelho e balear líderes de grupos de seguranças nocturnos. Francos é aqui ao atravessar a estrada, mas estamos deste lado e ficaria estranho a fronteira entre freguesias não coincidir com o traçado da VCI. Só aqui temos viadutos-fantasma e  terrenos pantanosos de nevoeiros rasteiros e sinistros que emanam energias diferentes. Não admira portanto que todos que aqui habitem tenham uma forma de estar na vida algo alternativa. Tipo Olivença mas com mais bovinos do que suínos.

Aqui não se fala das intempéries, dos escândalos nacionais, das crises mundiais. Aqui fala-se na "senhora" que é a pessoa que há uma semana se plantou ali num cruzamento junto ao jardim grande à chuva, em pé, imóvel. Todos os dias em todos os cafés e espaços públicos se avança um pouco mais na informação partilhada sobre "a senhora" que vai ficar ali vinte dias. É de Famalicão, A vida dela é esta: sofrer por nós nos sítios onde é mais necessário. Dizem que faz isto há muitos anos e vai mudando de sítio conforme Deus quer e a envia.

Às vezes rodeada de povo, com ou sem polícia a tentar dialogar, com ou sem guarda-chuvas suplentes pousados aos pés  dela, cada vez mais sozinha, que as gentes e as autoridades já começam a ficar habituados à "senhora".

Ao todo serão vinte dias, se depois disso sentirmos melhorias no estado de espírito da urbanização e a "senhora" já tiver desaparecido vamos ter que mandar fazer uma estátua.

Afinal aquele jardim está despido, em vez do tradicional cauteleiro a quem o pessoal encaixa um cigarro nos lábios, teremos uma estátua encurvada, solitária, debaixo de um guarda chuva e onde vamos depositando aos seus pés os nossos guarda-chuvas velhos. Já vi tradições com inícios mais fracos.
A personagem vai estar ali mais uns dias, não é um espectáculo visualmente estimulante, mas depois quando existirem as ancestrais tradições, podem dizer aos vossos netos que, para além de terem vindo várias vezes de metro com o emplastro, também viram "a senhora".

 

PS: ainda não tive coragem de lhe tirar uma fotografia.
 




Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009
Pedro, daqui não se vê a tua casa

 Estou farto deste tempo. Este Inverno saiu-nos melhor que a encomenda, intercala molhas diluvianas com nevoeiros cerrados que chegam a durar vários dias e molham os recantos onde a chuva não chega.

Estamos fartos de apanhar nevoeiro, ou, como alguns dizem: "no boeiro".

Nem consigo mostrar aqui a evolução das grandiosas obras do viaduto fantasma Franco-ramaldense, ó:

 

Estamos fartos de apanhar no boeiro, isto assim não é vida.
 

 

 




Sábado, 6 de Dezembro de 2008
Frio

 

Estava tudo muito branco. Em Janeiro tem que nevar!

 




Sábado, 22 de Novembro de 2008
Obras públicas

Como bons portugueses, gostamos de ver obras. Sabendo isso, foi criado aqui na redacção do Chichas um departamento de acompanhamento às obras do viaduto fantasma de Ramalde-Francos.
Ao clicar no link acima temos acesso a imagens do início das obras. Em baixo mostro mais três etapas desta obra que nos enche de orgulho a todos:

A inclinação perfeita foi atingida com a ajuda de muita areia.


Ai! Agora baralhei-me e já não sei se esta foto foi tirada antes ou depois da outra. Um momento. Pois... estão ao contrário.Façam de conta que viram esta primeiro.

Esta foi tirada agora. Podia ter evitado as sombras indo para a janela umas horas antes. Mas não se pode ter tudo. A próxima irá estar melhor.
 



por Pedro Chichorro às 16:52
link do post | comente | adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008
Evolução da coisa

 Cá vos mostro as novas imagens da obra do século: a conclusão do viaduto fantasma da Prelada. Esse mesmo sobre o qual foi feito, em 2001, um "jantar barroco". 


As últimas hortaliças.
 

As belas fundações, tão compactas, tão firmes.

A rampa acima permitirá os senhores automobilistas e peões acederem mais facilmente ao tabuleiro.



Um dos trabalhadores da obra, decerto embriagado,  decidiu escavar aquilo que demorou meses a conseguir. As autioridades já foram notificadas por mim.





Sábado, 19 de Julho de 2008
Alucinações

Ia eu anunciar que me sinto finalmente melhor da garganta e da febre quando, de repente, ouço lá fora uns grunhidos estranhos. Várias vezes. Tive medo mas fui espreitar, vi a retroescavadora dos nossos amigos poeirentos e escrevi o post anterior a este.
Os grunhidos continuavam mas depois de estar quase 5 dias a alucinar com cobertores a cantar Vanessa da Matta e com uma dupla da BD chamada Pato Rónaldo e Cristiano Dónald, achei que seriam restos da doença. Os últimos murmúrios dos valentes soldados a serem removidos do meu organismo.
A medo fui ver e uff... afinal o mundo continua mesmo a surpreender mesmo os maiores alucinados:



Eram só ninjas as treinar ao lado de uma tenda do ecoponto.

Espera.. tenda do Ecoponto?!


.



por Pedro Chichorro às 12:22
link do post | comente | adicionar aos favoritos

Progresso

Se o caro cibernóide amigo, palhaço deste circo que é a vida, um dia destes andar a vasculhar no Google Earth ou no Live Maps e não encontrar o seu viaduto-fantasma preferido; Chichas mostra in-loco o que se passa:



É que eles trabalham que se fartam. Ou, para quem nos lê de fora, they work that they fart. Já mandaram embora as vaquinhas e os cavalinhos, incluíndo aquele que passava de carroça todas as manhãs ali no meio daqueles carros, já não podemos comprar couves nem galinhas para a cabidela, o ar está mais poeirento mas é temporário.
Estou dividido, não sei se prefiro a vista que a foto não respeita de todo e que muda durante todo o ano, ou um atalho porreiríssimo para o outro lado da estrada.
Depois vou mostrando a evolução desta já considerada a obra do milénio que unirá de forma sustentada e fraterna as Freguesias de Ramalde e Francos há tantos anos separadas pela VCI (embora mesmo ao lado haja outra ponte sem contar com a do metro, mas esta vem dar mesmo aqui à porta pah). Não destruam é o pirolito do Nasoni. É pequenino mas é amado por todos nós.










.posts recentes

. Viaduto - a obra

. A senhora dos guarda-chuv...

. Pedro, daqui não se vê a ...

. Frio

. Obras públicas

. Evolução da coisa

. Alucinações

. Progresso





Add to Google Reader or Homepage



AddThis Feed Button
AddThis Social Bookmark Button