Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008
Trauma

 Hoje passei por uma das situações mais difíceis da minha vida e já me aconteceram coisas más. Aliás, ainda na semana passada me roubaram quase 70 euros e não fiquei tão angustiado.

 E sim, o dinheiro faz-me falta.

A situação de hoje é aparentemente pacífica, não merecedora deste estômago tão apertado que quase me apetece vomitar; mas estou a ressacar das altas doses adrenalina que o meu organismo segregou evitando que eu desmaiasse ali em frente ao meu terminal enquanto atendia uns supostos clientes reais.

Qual primeiro dia de aulas, exames de acesso ao ensino superior? Qual inspecção da tropa? Urgência de hospital? canja! O único episódio que me lembro que foi pior que o de hoje, foi o meu dia Magnolia, tão intenso que ainda não consegui relatá-lo aqui. Duvido que tenha capacidade de descrevê-lo por escrito. Foi muito intrincado.

Sim, ficar dez horas na rua sem poder entrar em casa também foi pior que hoje.

A pouca memória que tenho foi-se, o meu frágil poder de resolução desapareceu e a capacidade de digerir a informação que me diziam pelos auscultadores foi com as enzimas.

Quando conseguia encontrar literatura útil para a situação, não conseguia passar do primeiro parágrafo. Não assimilava nada, lia palavras e não as entendia e a boca secava enquanto o rato na mão ressuava.

Achava eu que, pelo menos, estava a conseguir disfarçar na voz o meu estado de pânico até que um simpático cliente comentou a minha azelhice.

Nunca me esquecerei da horrível sensação de, no fim de um atendimento, ter que dizer o meu nome a alguém que, sabendo-se mal encaminhada, mo pediu. A minha voz parecia um cacarejo de galinha poedeira.

 

Em baixo um embrião de galinha, foto tirada por Thomas Pais de Azevedo, de Lisboa e exposta no Nikon Small World:

 

 

Escrevi este texto de uma assentada e leio-o depois quando acalmar. Ainda estou a tremer e nem devia ter escrito nada. Mas agora já sabem o porquê da minha ausência de quase um mês.

Se amanhã me continuar a sentir um embrião de galinha a coisa correu mal :(

 

 

 

 



por Pedro Chichorro às 21:24
link do post | comente | adicionar aos favoritos

4 comentários:
De Tito de Morais a 27 de Novembro de 2008 às 22:59
Boas!
Bem, que dia! Deixa lá, amanhã vai ser canja! A primeira vez custa sempre! :)
Abraço
Tito


De Daniel a 28 de Novembro de 2008 às 00:36
Sem stress, os erros fazem parte. Acho que conheço o dia Magnolia ... que venham os erros.


De SRV a 28 de Novembro de 2008 às 12:04
Meu,
Isso passa. Claro que te ias sentir como um burro a olhar para um palácio. Milhões de telefones, perguntas patéticas, clientes com pressa... Pão nosso de cada dia.
Leva a coisa na boa.
Não desistas, como desististe de ser o Art Garfunkel tripeiro.
Abraço.
Ah! Parabéns pelas 50.000 visitas. Lindo número, é redondinho! Afinal consegues fazer coisas com piada.


De Pedro Chichorro a 28 de Novembro de 2008 às 20:06
50000! ne tinha reparado :|
pra veres como sofro


Comentar post






.posts recentes

. Ainda alguém lê isto?

. Dicas de poupança - No de...

. Mensagem do futuro

. Bolores engenheiros

. Conversa no Taxi

. Juliette

. Escalada

. Despertador novo, vida no...

. Karma Police israelita

. Janela para o mundo

. Moda Lisboa - Sugestão de...

. Poema de um coronel sensí...

. La Planète sauvage

. A ceguinha

. Regra de ouro do consumis...

. Welcome

. Fátima Lopes

. Um desafio, um ovo e uma ...

. Tem ovo

. Thin Lizzy vs. The Pixies

. Nino Guitar

. Festa inexplicável

. Pequenos gnomos

. Sem querer aventurei-me n...

. Comércio tradicional

. Orgulhos lusitanos

. A quem interessar: encont...

. Números de telefone fácei...

. Gosta de alho? Eu adoro a...

. Vítor Gaspar





Add to Google Reader or Homepage



AddThis Feed Button
AddThis Social Bookmark Button